Ter qualidade de vida é mais do que não estar com o organismo doente. Estamos falando de condições necessárias para que o ser humano se desenvolva de forma saudável, tenha uma estrutura básica para sobrevivência e esteja com a saúde mental em equilíbrio.

Na vida consagrada, não obstante os sacrifícios e ofertas que compõem a vida cristã, as comunidades e paróquias precisam oferecer aos seus sacerdotes e religiosos condições de qualidade de vida. 

A ausência dessas oportunidades oferecem risco à saúde mental, física e, ainda mais, vocacional dos religiosos. 

Selecionamos 3 condições indispensáveis para se ter qualidade de vida. Confira, avalie e reflita sobre como favorecê-las. 

#1 Ambiente tranquilo, higiênico e sadio para vivência

O ambiente no qual o religioso vive precisa favorecer higiene, tranquilidade e saúde. Por isso, é necessário uma reflexão acerca das condições de saúde de cada um. 

Um ambiente frio para alguém com saúde debilitada devido a alergias e problemas pulmonares não é interessante. Além do aspecto estrutural e climático, é importante um ambiente tranquilo, longe de conflitos. 

Sabemos que os desafios comunitários são muitos, mas, quando se trata de manter a qualidade de vida da comunidade, é importante um discernimento e uma sabedoria sobre como manter a paz e a concórdia para todos. 

Além disso, o ambiente físico também precisa ser trabalhado de modo a gerar tranquilidade e vivência espiritual. Boa parte das casas religiosas são decoradas com imagens e ícones. No entanto, é preciso que haja harmonia nas cores e na quantidade de informações. Algumas cores mais pesadas afetam a psique gerando ansiedade e irritabilidade. 

#2 Um trabalho apostólico desprovido de exigências 

A vida apostólica de uma comunidade religiosa é intensa. Por isso mesmo, é fundamental diminuir o peso das exigências desnecessárias e trabalhar com a noção de limites pessoais. 

Não podemos cobrar exaustão dos religiosos, senão a qualidade do trabalho apostólico fica comprometido, em especial, a qualidade de vida dos irmãos e irmãs. 

É preciso que as autoridades tenham consciência de sua missão como pais e mães espirituais e zelem pelos seus filhos nesse quesito. 

#3 Prática de exercícios físicos 

O Ministério da Saúde deixa evidente que: “além dos benefícios físicos, existem vantagens da atividade física para o emocional e para a imunidade, sendo esses dois benefícios especialmente valiosos durante a pandemia”. 

Apesar de benéfica, é necessário aliar os exercícios a outros hábitos como alimentação balanceada, rica em nutrientes, para que se tenha efeito esperado para saúde. Por isso, é 

Levando em consideração as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde orienta que as pessoas devem praticar 150 minutos semanais de atividade física moderada ou pelo menos 75 minutos de atividade física de maior intensidade por semana.

Na vida religiosa, algumas congregações inseriram em suas realidade cotidianas momentos comunitários para prática de esportes, como futebol, vôlei e outros. Apesar de ser uma iniciativa louvável é importante que todos os religiosos envolvidos passem por uma avaliação física para identificar possíveis problemas de saúde que inviabilizem a prática.